Curitiba será sede do 8º Festival de Graffiti Street of Styles neste sábado (17) e domingo (18). Considerado um dos mais importantes eventos de grafite do país, ele vai acontecer no Curitiba Skate Park, localizado na Travessa da Lapa, Centro da capital. Os participantes farão uma intervenção artística nos muros do espaço, transformando-os em telas gigantes para mostrarem suas artes.

O festival tem como principal objetivo a representação artística das cenas urbanas e nessa edição terá o skate como o principal “mestre de cerimônias”. Serão apresentadas intervenções visuais de artistas de todo o país em uma área de mais de 300 metros quadrados.

“Ter a oportunidade de receber o Street of Styles aqui na nossa casa, reafirma o nosso compromisso em desenvolver parcerias fortes com marcas engajadas e profissionais competentes e comprometidos com a evolução dos esportes, das artes e da cultura. O skate, o grafite e a música sempre andaram de mãos dadas e são ferramentas de posicionamento cultural e desenvolvimento sócio-econômico”, afirma Lucas Bora Araujo, sócio-administrador da Curitiba Skate Park.

+ Leia mais: Campanha mostra como pichação coloca negócios e pessoas em risco

Em paralelo, uma mostra com shapes de skates customizados com pinturas exclusivas, retratando a união do lifestyle do skate com a arte contemporânea e apoio da Mundi Skate Shop.

Ao contrário das edições anteriores e devido ao cenário pandêmico, essa etapa do festival será fechada ao público e só participarão da intervenção os artistas convidados, que deverão cumprir todos os protocolos de segurança exigidos pelo Ministério da Saúde. O resultado será apresentado ao público em visitas (vagas limitadas mediante cadastro no evento no sympla.com.br) e em vídeo documentário, com entrevistas dos artistas, curadoria e processo criativo.

A edição de 2021 será diferente porque ela está sendo feita em etapas. “Devido à pandemia, tivemos que reduzir o número de artistas de 400 para 20, sendo cada um por etapa. Com isso, esses artistas formarão pequenos murais, refletindo as suas obras, e com o networking entre eles sendo realizado virtualmente”, explica Devis, curador do projeto. Segundo ele, o conceito do festival é promover o networking entre os artistas de rua com aqueles de diversas partes do mundo, promovendo um intercâmbio de ideias que desperte maiores possibilidades para a arte.

Sobre a mostra que será apresentada, Michael adianta que os artistas vão representar os seus próprios estilos dentro do mural pintado no espaço. A ideia é realizar um mix de todas as influências para produzir uma peça única nas paredes da Skate Park. “Para esta edição pocket, estamos trazendo 21 artistas de todas as regiões do Brasil. Vamos trabalhar com todos os estilos do grafite – wildstyle, bomb, throwUp, freestyle, personagem, 3D, entre outros, visando a diversificação dos estilos da arte urbana, assim como do grafite para a ampliação do conteúdo na criação de um novo mural na cidade. Além disso, estamos trazendo homens, mulheres, e pessoas de transgêneros e/ou LGBTQI na inclusão dentro do festival, abrindo assim, as portas para pessoas de todos os gêneros e estilos”, revela Michael Davis, curador do projeto.

Para esta edição, já estão confirmados renomados artistas como, Babu (MT), Artestensiva (PR), Raiz (AM), Fênix (MG), Deleon (PR), Ise (SP), Bruno Dhoar (PR), Starley (ES), Gustas (PR), Vidal (BA), Carão (PR), Jay Moraes (PR), Does (SP), Matias Souza (AC), Cazé (RJ), Dninja (MG), Gardpam (PR), Kueio (SP), Fabio Flop (RS), Isaac Souza de Jesus (PR) e Wagner Santiago (PR).

Além disso, várias escolas estarão integradas ao processo no plano de contrapartida do projeto executado por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura. Durante o ano, 4 murais serão produzidos em escolas municipais com a participação dos alunos, professores e artistas, envolvendo aproximadamente 500 estudantes em oficinas práticas de grafite.

+ Leia também: Cruzamento “campeão de acidentes” em Curitiba é alterado após denúncia na Tribuna

“O papel dos projetos culturais, sendo eles incentivados ou não, é sempre promover a democratização da arte e o fomento da produção cultural. Ao levarmos as oficinas para as escolas estamos cumprindo essas duas premissas tão fundamentais para a continuidade de ações como essa”, declara Carolina Montenegro, coordenadora do projeto.

“O EBANX acredita no poder transformador da cultura e, por isso, apoia projetos que fomentam a arte nas suas mais variadas formas. O Festival de Graffiti é um exemplo de um projeto curitibano, que além de levar a arte para a comunidade, fomenta e se relaciona com uma modalidade esportiva que significa muito para o EBANX: o skate”, comenta Michelle de Cerjat, coordenadora de comunidade do EBANX.

As transmissões ao vivo das intervenções poderão ser acompanhadas através do instagram @street_of_styles.