O frio, a fome e a falta de condições dignas de moradia que fazem parte do dia a dia das cerca de 450 famílias carentes da Ocupação Tiradentes, que fica lado de um aterro sanitário, na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), se agravaram ainda mais com a pandemia de novo coronavírus e o aumento do desemprego. Mas em locais como este de situação irregular, onde os serviços do poder público muitas vezes não chegam, quem faz a diferença são grupos de voluntários, como o Projeto Ocupações, que trabalha movido pelo amor ao próximo, para dar um pouco mais conforto para quem tanto precisa.

LEIA TAMBÉM – Divórcios caem quase pela metade no Paraná durante a pandemia de covid-19

Criado em 2020 pelas advogadas curitibanas Victória Sbruzzi Messmar, de 25 anos e Lívia de Moraes Stival, 28, após várias ações de ajuda anteriores, o Projeto Ocupações mobiliza amigos e familiares das jovens, além de conectar pela solidariedade pessoas que não se conhecem. A campanha atual comandada pelo projeto, durante a pandemia, busca arrecadar pelo menos 450 cobertores para aquecer as famílias da Ocupação Tiradentes durante o inverno. Em cada uma das pequenas casas de madeira do local, vivem em média, de oito a 11 pessoas de uma mesma família.

“Eu e uma amiga minha, a gente sempre fez muitas campanhas com arrecadações pontuais, campanhas espaçadas, mas ainda não tínhamos nada formalizado. A gente fez uma campanha dois anos atrás nesta comunidade, a Ocupação Tiradentes. Uns amigos nossos atendiam esta ocupação com alimentos e e nós fomos lá com agasalhos, roupas e alguns cobertores. E quando chegamos lá foi um choque muito grande, que não aconteceu em outros locais.”, conta Victória, que revelou que a empatia, a organização e a ajuda mútua entre os moradores da ocupação foi o que fez com que ela e Lívia fossem tocadas e motivadas a ajudar, ainda mais.

LEIA MAIS – Balde solidário: parque aquático socorre moradores há mais de uma semana sem água em plena pandemia

“Nesta ocasião, as pessoas fizeram fila e quando acabaram os cobertores, quem ganhou um foi passou para uma mãe que chegou depois com uma criança e não pegou a coberta. Isto mexeu muito com a gente. Naquele lugar, vimos pessoas que não têm quase nada e pessoas que têm menos ainda. E quem tem um pouco mais, ajuda os que têm menos. Isso foi muito chocante, a gente ficou muito marcada. Já tínhamos ajudado outras comunidades, mas esta era a primeira vez que a gente atendia uma ocupação, lugar com ainda mais dificuldades, pela questão da irregularidade. Neste caso, os terrenos das cinco ocupações da região são de empresas de lixo”, diz Victória.

LEIA AINDA – Corrente do bem é reforçada com mais uma rifa de um Fusca para o jovem Erick

Ainda de acordo com a voluntária, campanhas que doam cobertores, agasalhos e alimentos ajudam a espantar o frio e a fome, amenizando o sofrimento diário de pessoas que têm as mais variadas carências. “É um público invisível de Curitiba. A gente sabe que existe pobreza, mas não entende o nível de pobreza e a realidade deles. A situação das ocupações é agravada, mas crítica do que a das favelas, eles não têm segurança na casa em que moram, eles não têm serviços como água e luz. Eles contam apenas com a ajuda de poucas instituições, além dos doadores anônimos”.

Como ajudar?

Para ajudar adultos e crianças da Ocupação Tiradentes a enfrentar as noites mais frias do inverno, doações de cobertores, mantas, casacos, blusas de lã e agasalhos, novos ou usados, podem ser entregues para o projeto, que reúne os itens e distribui na comunidade. Roupas de homens, mulheres e princialmente de crianças, também são bem-vindas.

Quem não tem estes itens sobrando no armário de casa, também pode contribuir com quantias em dinheiro. De acordo com Victória, cada cobertor custa R$ 12, sem contar o valor do frete. As doações em dinheiro podem ser fitas diretamente pelo link disponibilizado pelo Projeto Ocupações. Os valores doados caem na conta da organização e são usados exclusivamente nas campanhas, neste caso, na aquisição dos cobertores.

LEIA TAMBÉM – Banda da PM suaviza o clima em hospitais e no isolamento social na pandemia

“Entendemos que existe uma crise econômica instaurada. O link para compra de cobertas é residual. Eu tenho certeza que tem 450 pessoas que têm uma manta ou um casaco em suas casas, que não estão usando mais. A gente não almeja necessariamente que as pessoas doem quantias monetárias. É o momento de olhar para seu armário e sua casa, e tirar uma coberta que está pegando mofo no armário e aquecer uma família” confidencia Victória.

Ainda de acordo com a voluntária, estes pequenos gestos de solidariedade representam muita coisa. “Queremos tocar mais gente. O que a gente realmente quer é fazer a diferença na vida destas pessoas, a gente quer poder entregar alguma coisa que tire um sorriso deles e quando eles estejam dormindo à noite, não seja tão desconfortável. Tirar algum tipo de peso das costas delas, elas já têm uma bagagem muito maior do que a nossa”, revela Victória.

Projeto Ocupações

Link para doações em dinheiro para a compra dos cobertores: https://ebanxbeep.com/projeto-ocupacoes/cobertor-popular-1

Mais informações sobre o projeto e contato para a entrega de doações: Instagram @projeto.ocupacoes


Precisamos do seu apoio neste momento!

Este conteúdo te ajudou? Curtiu a forma que está apresentado? Bem, se você chegou até aqui acredito que ficou bacana, né?

Neste cenário de pandemia, nós da Tribuna intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise. Bora ajudar?

Ao contribuir com a Tribuna, você ajuda a transformar vidas, como estas

– Pai vende vende 1000 bilhetes de rifa com a ajuda da Tribuna pra salvar o filho
– Leitores da Tribuna fazem doação de “estoque” de fraldas para quíntuplos
– Leitores se unem para ajudar catadora de papel de 72 anos

E tem várias outras aqui!

Se você já está convencido do valor de sua ajuda, clique no botão abaixo