Os testes rápidos para a covid-19 estão disponíveis nas farmácias de Curitiba desde o começo de maio, mas eles servem para quem? Na confusão do ambiente de pandemia, ter um teste logo ali, na primeira esquina, parece algo bom, mas talvez não individualmente, explicam especialistas.

“Qual pergunta você quer responder com o exame?” Esta é a questão que a pessoa deve se colocar antes de decidir fazer o teste rápido, segundo Cláudia Nunes Duarte do Santos, virologista da Fiocruz Paraná, chefe do Laboratório de Virologia Molecular.

Se a questão é essa, o teste de farmácia não é o mais indicado. Isso porque ele verifica, a partir de uma coleta de sangue, se a pessoa desenvolveu ou não os anticorpos para a doença – seja o IgM (na fase aguda), seja o IgG (convalescente). Assim, o teste rápido mostra se você teve contato com o vírus há um determinado tempo, mas não indica se você está contaminado naquele exato momento.

VIU ESSA? – Está com suspeita de coronavírus? Como pedir ajuda em Curitiba e no PR

“O teste pode ter falsos positivos, entre pessoas com hiperlipidemia [níveis excessivos de lipídios, ou seja, gordura no sangue] e doenças auto-imunes, gerando aflição à toa”, diz o médico infectologista Victor Horácio Costa Júnior, professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Até mesmo quem tomou a vacina para a gripe pode ter resultado falso-positivo. “E se der positivo, a pessoa deve ir a um médico para dar prosseguimento à investigação, inclusive informando os órgãos de saúde”, enfatiza ele.

Posso saber se sou negativo?

Se a ideia é atestar que está negativo para o novo coronavírus, o exame também não é conclusivo. Ainda mais se você for assintomático – estar infectado, mas não apresentar febre, tosse seca e cansaço. E mesmo entre pessoas com sintomas, o exame tem validade apenas se for feito entre o 7.º e o 10.º dia de sintomas, que é o tempo necessário para o corpo desenvolver os anticorpos.

Sem sintomas, como em 80% das pessoas que contraem o vírus, é impossível saber em qual momento está da formação das células de defesa contra o vírus. “Mesmo o teste dando negativo, a pessoa pode estar infectada, pois pode não ter tido tempo ainda de o organismo desenvolver os anticorpos”, diz a virologista.

Claudia explica que o teste de farmácia não permite uma tomada de decisão, nem individual, nem pelas autoridades, pois só informa se a pessoa teve ou não contato com o novo coronavírus.


Sou imune ao novo coronavírus?

Ainda que o teste rápido verifique a presença de anticorpos – dando a entender que a pessoa teve contato com o vírus em algum momento – isso não garante imunidade, algo ainda indefinido. O vírus é novo e os profissionais e cientistas estão aprendendo com ele em tempo real e há lacunas no conhecimento que precisam ser preenchidas.

LEIA MAIS – “Vamos usar máscara por muito tempo. Acostume-se”, avisa secretária da saúde

“Não se sabe ainda se, ao se infectar com o novo coronavírus, se os anticorpos terão a memória capaz de identificar o vírus no futuro e o quanto essa memória duraria. O anticorpo neutralizante parece que nem todos desenvolvem, temos visto uma grande variabilidade”, diz Claudia Nunes. Por este motivo, segundo a especialista, o teste rápido positivo não poderia ser usado como um passaporte para a saída segura do isolamento.

Para que serve então?

O teste rápido, segundo ambos os especialistas ouvidos pela reportagem, serve mais para um controle epidemiológico da doença.

“Todo mundo deveria fazer se pensarmos nesse sentido. Veja que na Nova Zelândia, para cada caso positivo foram testadas 284 pessoas. No Brasil, até pouco tempo, para cada um positivo estavam sendo testados 1,1 pessoas. Esse teste ajudaria a saber como o vírus está se distribuindo no país, saber quem teve ou não contato com ele, uma informação importante para definir o caminho a se tomar em relação a ações governamentais”, diz o médico infectologista Victor Horácio Costa Júnior.


Exame ideal

O teste correto para se fazer individualmente, segundo os especialistas, é o RT-PCR, disponível em laboratórios e hospitais. A partir de uma amostra do nariz e da garganta colhida com um cotonete grande, verifica-se a presença do RNA do vírus ou a sua carga viral no organismo. Os resultados podem levar dias, mas o exame responde à pergunta: “você está infectado pelo vírus nesse momento?”.

SAIBA MAIS – Shoppings de Curitiba são autuados por prestarem serviços proibidos por decreto

“Esse teste molecular indica se a pessoa está ativamente infectada e, com essa informação, a pessoa deve fazer isolamento, se cuidar, ficar reclusa, pois pode transmitir o vírus”, afirma Claudia Nunes.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?