Começou na segunda-feira (12) a campanha de imunização para influenza no Brasil. Em meio à pandemia e à vacinação de pessoas contra a covid-19, quase restrita a idosos e profissionais de saúde, o ideal é respeitar um tempo antes da aplicação dessa vacina anual. Isso se daria, segundo os médicos, para que o efeito delas não fosse prejudicado.

LEIA MAIS – Acima de 67 anos e não se vacinou? Primeira dose pode ser tomada nesta terça em Curitiba

O intervalo sugerido pelos profissionais é de 14 dias, diz o infectologista Hemerson Luz. E essa orientação vale para qualquer vacina do calendário ou para influenza no caso dos grupos que serão imunizados contra a covid-19. Exclui-se apenas as crianças, que ainda não tiveram testes comprovando a eficácia das atuais vacinas contra a covid-19.

Hemerson Luz explica que o intervalo de duas semanas é recomendado para que a vacina consiga gerar resultados, com a produção de anticorpos correspondentes aos efeitos de cada imunizante. As informações são da Agência Brasil.

O período de 14 dias deve ser observado independentemente de qual vacina foi tomada primeiro. Então, se alguém receber imunizante contra a covid-19, deve aguardar pelo menos duas semanas antes de tomar qualquer outra vacina e vice-versa.

VIU ESSA? Quem se infecta pela covid-19 pela segunda vez pode sentir sintomas mais fortes

O infectologista comenta que os calendários foram pensados para evitar que uma pessoa tenha tomado a vacina contra a influenza e, logo depois, chegue a sua vez na lista de grupos prioritários da campanha contra a covid-19.

“O planejamento vai ser feito da seguinte forma: a vacinação contra a influenza vai começar por crianças e gestantes, que não estão incluídas na vacina da covid-19. Isso vai dar tempo de resposta para começar a campanha, enquanto os mais idosos estão sendo vacinados contra a covid-19”, afirma Hemerson Luz.

Se houver, no entanto coincidência dos períodos de vacinação fica mantida a orientação de esperar os 14 dias para não prejudicar nenhuma das duas.