Pessoas infectadas com a variante Delta do coronavírus, identificada primeiramente na Índia, podem apresentar sintomas que, até então, não eram tão comuns. Entram na lista: coriza (nariz escorrendo), dor de garganta e dor de cabeça.

As diferenças foram observadas em um estudo conduzido na Inglaterra – onde 90% das novas infecções têm sido causadas pela variante Delta – a partir da coleta de informações dos pacientes via um aplicativo. O estudo, chamado de ZOE COVID Symptom Study App, avaliou os dados fornecidos pelas pessoas desde o início de maio.

LEIA TAMBÉM:

>> Curitiba confirma 881 casos e 24 novos óbitos de coronavírus nesta terça-feira

>> >> Aeroporto Afonso Pena encerra controle de testagem de covid-19 após quatro dias

Com o passar das semanas, os pesquisadores começaram a perceber que as descrição dos sintomas mais comuns não eram os mais clássicos, como a perda de olfato e paladar. Para eles, a mudança nos sintomas poderia ser associada ao aumento da circulação da variante Delta, já que ocorreram ao mesmo tempo. Trata-se, portanto, de uma associação, mas ainda não comprovada.

As informações preliminares da pesquisa foram divulgadas pelo professor de genética epidemiológica da King’s College London, e pesquisador principal do estudo, Tim Spector, em um vídeo publicado no perfil da pesquisa no Youtube.

Novos sintomas

De acordo com Spector, os novos sintomas se apresentam principalmente na população mais jovem, principalmente porque é uma faixa etária que ainda não está completamente vacinada. Neste público, pode se assemelhar a um resfriado mais forte.

“As pessoas podem achar que elas só estão com alguma gripe sazonal, e que podem continuar indo em festas. Nós acreditamos que isso está alimentando boa parte do problema. Então, o que é importante perceber é que, desde o início de maio, nós estamos olhando para os principais sintomas dos usuários do aplicativo e eles não são mais os mesmos do que eram”, explica o pesquisador no vídeo.

Os principais sintomas são, segundo Spector:

Dor de cabeça;
Dor de garganta;
Coriza/nariz escorrendo;
Febre;
Tosse.

“Nós não vemos mais a perda do olfato no topo dos sintomas”, diz. O pesquisador sugere que as pessoas com sintomas – ainda que leves – façam o teste, e mantenham-se afastadas de outras para evitar a transmissão.